O TEMPO E A MORTE

Dona Luísa Valencic, 87 anos, comemora a sua colação de Grau no curso de Nutrição, alega que começou a fazer o curso após a morte de seu esposo e de sua irmã. Terminou o curso em seis anos, reprovou em matérias, fez o TCC à mão para depois com a ajuda de terceiros o trabalho fosse digitado. Sabe quais são os planos dela agora? Estudar línguas como alemão, inglês e francês, e começar a pós-graduação. (Fonte G1)

Do outro lado da história li uma matéria de 2015 do Folha, onde relata o surto de suicídios de jovens na região do Vale do Silício (região onde estão as sedes das maiores empresas de tecnologia como Google, Apple, HP), tendo em vista que os mesmos não aguentam a pressão que possuem para conquistarem o 1º milhão de suas vidas antes mesmo dos 18 anos. A ansiedade de criarem algum app de sucesso e ser o novo milionário mexe tanto com eles que quando não conseguem entram em profunda depressão e se matam.

Quantas vezes você deixou de seguir em frente com um projeto, pq achava que já estava velho demais? Quantas vezes você limitou os seus sonhos porque não estava disposto a ser cobrado? Quantas vezes você já desistiu de algo mesmo tendo um vasto horizonte de oportunidades? Quantas vezes você ficou congelado no medo se alimentando da autopiedade e vitimização?

As duas histórias tem pontos em comum: O Tempo e a Morte…. Para a Dona Luísa, a morte foi o motivo que a levou a querer dar um sentido à sua vida e aproveitar melhor o tempo que ainda lhe restava. Já para aqueles jovens a percepção que tinham é que não havia mais tempo para nada, e como não teriam saídas diante de tais frustrações resolveram dar fim a sua existência, pois a morte era a solução mais viável.

As vezes, o que te assusta por aparentar ser o fim, na verdade é apenas o início de uma nova etapa na sua vida. Sempre há tempo para reiniciar, sempre há tempo para se reinventar. O tempo passará de qualquer modo, resta saber de que forma você irá utilizá-lo até os fins dos seus dias.

Nayron Toledo.