O que é Constitucionalismo Whig ou Termidoriano?

O Constitucionalismo Termidoriano

No pensamento constitucional, tende-se a chamar de constitucionalismo whig (ou para alguns termidoriano) o processo de mudança de regime político-constitucional lento e evolutivo, mais que revolucionário e radical. É o mote das chamadas transições constitucionais de nossos dias. Não é preciso derramamento de sangue para que haja mudanças, nascendo os regimes políticos gradualmente de dentro dos regimes caducos.

O constitucionalismo evolutivo é visto por alguns como modelo uma ideologia conservadora de mudanças sociais. Tanto por inspiração inglesa (fonte do constitucionalismo evolutivo dos whigs), quanto francesa (de onde vem a noção do termidorianismo). Trata-se uma forma incompleta de percepção. Toda revolução termina em conservação. E todo constitucionalismo transporta um ingrediente do Termidor. Explico.

Para os historiadores, a reação termidoriana é a fase de algumas revoluções em que o poder passa das mãos da liderança revolucionária e de um regime radical para grupos mais conservadores que adotam uma linha política que se distancia das propostas originais, chegando mesmo a retomar valores e premissas pré-revolucionários.

A expressão tem origem na Revolução Francesa, quando o Comitê de Salvação Pública determinou a execução de Robespierre, Saint-Just e de outros líderes jacobinos. Com a Reação, pôs-se fim à fase mais radical da Revolução. O golpe aconteceu de 27 para 28 de julho de 1794 ou 9 Termidor, de acordo com o calendário adotado na Revolução. Daí a denominação.

Quem ajudou a divulgar essa ideia foi Leon Trótsky. Em seu livro A Revolução Traída, Trótsky se refere à ascensão de Stalin ao poder como a reação termidoriana da Revolução soviética. As promessas do comunismo se converteram, segundo ele, na vontade despótica e burocrática de um homem.

Certo é que as revoluções acabam se tornando conservadoras. Quando a ruptura com o regime anterior se consuma, os líderes do movimento tendem a institucionalizar o que consideram conquistas do povo, por meio de uma Constituição. A rigidez constitucional, a partir de então, “termidoriza” a revolução. Com ou sem o extermínio dos órfãos dos ideais perdidos, da revolução incompleta. Mas notemos: frequentemente pensamos na “Constituição” como instrumento de transformação social. Deixamos de notar que ela também é o meio reacionário ou, pelo menos, estabilizador das rupturas institucionais. Para o mal ou para o bem.

José Adércio Leite Sampaio é Jurista. Graduado em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Mestre e Doutor em Direito Constitucional pela UFMG. Procurador Regional da República. Professor da Escola Superior Dom Helder Câmara. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s