STJ – Confirmada negativa de indenização a juiz investigado por envolvimento com Cachoeira

Um juiz de Goiás investigado por suposta venda de sentença a Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, não conseguiu rediscutir a decisão que lhe negou indenização. O ministro Gilson Dipp, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), entendeu que os embargos de divergência em recurso especial, interpostos pelo juiz, não tinham condições de admissibilidade. 

A primeira instância goiana havia condenado o estado e o procurador do caso a indenizar o juiz em R$ 300 mil. Para o magistrado, a ofensa à honra teria ocorrido em entrevista concedida pelo procurador à imprensa, na qual revelou a investigação.

Direito à informação

O valor foi reduzido no tribunal estadual para R$ 180 mil. No STJ, a indenização foi considerada indevida, porque a entrevista teria caráter meramente informativo. Em dezembro, o ministro Castro Meira, relator do caso na Segunda Turma, afirmou: “Não se pode culpar o Ministério Público do Estado de Goiás pela repercussão natural que a gravidade do fato encontrou nos meios de comunicação.” Ele acrescentou que a condição de magistrado não poderia impor uma vedação à notícia do fato ou ao direito à sua divulgação.

Diante dessa decisão, o juiz apresentou os embargos de divergência. Para ele, o entendimento da Segunda Turma contradizia o da Quarta Turma, aplicado em outro caso.

No Recurso Especial 1.162.598, a Quarta Turma manteve a condenação de um promotor, em solidariedade com a RedeTV!, por divulgar investigação contra um cidadão acusado de deixar de pagar alimentos à mãe idosa. A apuração estava sob sigilo e o cidadão foi, ao final, inocentado. Mas o promotor relevou os fatos em um programa de TV. Ele e a emissora foram condenados a pagar R$ 50 mil de indenização.

Conforme o ministro Dipp, essas decisões não são contraditórias. Para ele, nos dois casos, considerou-se que o cabimento da ação de indenização por danos morais contra representante do Ministério Público que concede entrevista sobre investigações depende da existência de um elemento subjetivo, qual seja, o ânimo de desmoralizar e difamar, “que extrapolaria o caráter meramente informativo da entrevista ao se emitir uma carga valorativa sobre os fatos”. 

var gaJsHost = ((“https:” == document.location.protocol) ? “https://ssl.” : “http://www.”); document.write(unescape(“%3Cscript src='” + gaJsHost + “google-analytics.com/ga.js’ type=’text/javascript’%3E%3C/script%3E”)); try { var pageTracker = _gat._getTracker(“UA-6872079-3”); pageTracker._trackPageview(); } catch(err) {}

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s